EFERedação Internacional

Pelo menos dezenas de milhares de pessoas juntaram-se neste sábado em marchas solidárias chamadas no mundo todo para denunciar o racismo e a violência policial após a morte nos Estados Unidos do afro-americano George Floyd.

Protestos anti-racistas pela morte de Floyd, que morreu em 25 de maio depois de que a polícia de Minneapolis o imovilizasse por quase 9 minutos, impedindo-o de respirar, foram realizados em várias partes do globo e casos locais semelhantes foram relatados em todos os países.

Na Austrália, dezenas de milhares de pessoas marcharam por várias cidades em apoio aos protestos após a morte de Floyd e para protestar contra o racismo, incluindo as mortes de aborígines australianos enquanto estavam sob custódia das autoridades.

"O racismo é uma pandemia", "O silêncio branco é violência" e "Pare as mortes sob custódia policial" são alguns dos cartazes que acompanharam as bandeiras aborígines durante a marcha em Sydney, onde cerca de 10.000 pessoas se reuniram.

"Somos os donos tradicionais desta terra e estamos unidos não apenas pela cor com os nossos irmãos negros nos Estados Unidos, mas também com índios nativos. Temos algo em comum com todas as nações negras do mundo porque fomos colonizados por violência e genocídio", disse um dos anciãos aborígines durante a marcha.

Centenas de pessoas manifestaram-se pacificamente nas ruas de Tóquio e Seul para denunciar o racismo por ocasião da morte de Floyd nas mãos da polícia.

Na capital japonesa, cerca de 500 pessoas de várias nacionalidades marcharam e manifestaram-se em frente à estação central e popular de Shibuya.

Em Seul, uma centena de pessoas, várias delas americanas, marcharam pelo bairro central de Myeongdong, com mensagens com o slogan "Black Lives Matters", que liderou os protestos em muitas partes dos Estados Unidos.

No Reino Unido, multidões de cidadãos, muitas com máscaras e luvas pelo coronavírus, reuniram-se na Praça do Parlamento, no centro de Londres, e manifestações também foram realizadas em outras partes do país.