EFEDavos (Suíça)

O presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, defendeu esta quarta-feira em Davos uma "justiça fiscal" que ajude a redistribuir a riqueza através dos impostos mas que também avance na "pré-distribuição", com um funcionamento "mais justo" dos mercados.

No seu discurso no Fórum Económico Mundial em Davos, Sánchez disse que o novo Governo de coligação entre o seu partido, o PSOE, e o Podemos "não será um Governo de braços cruzados", um "mero observador" ou um Governo "instrumentalizado", mas sim um Executivo "comprometido com o futuro e com a sociedade".

Além disso, considerou que a melhor forma de combater a extrema-direita e o "populismo dos tacanhos" é "através da política do bem comum, dando respostas".

No seu discurso, o presidente do Governo espanhol também destacou que o crescimento económico a qualquer custo é "inaceitável" porque não se pode ampliar a lacuna social, e salientou que estão comprometidos com a criação de empregos de qualidade. "Não queremos um futuro de precariedade e pobreza laboral", disse.