EFELisboa

O presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, advertiu esta segunda-feira que o montante do Fundo de Recuperação a ser aprovado pela União Europeia não pode ser inferior que a proposta da Comissão -de 750.000 milhões de euros, 500.000 dos quais seriam transferências diretas-.

Sánchez fez esta advertência em Lisboa numa conferência de imprensa com o primeiro-ministro português, António Costa, com quem se reuniu para preparar a cimeira de 16 e 17 de julho que irá negociar o fundo de recuperação e o quadro financeiro plurianual da UE.

O chefe do Governo espanhol ressaltou, tal como Costa, a necessidade da Europa chegar a um acordo em julho e disse que o montante do fundo deveria ser "no mínimo" o proposto pela Comissão.

"Julho tem de ser o mês do acordo europeu, que dê uma resposta conjunta de todas as instituições e países", disse o chefe do Executivo espanhol, que, tal como o seu homólogo português, defendeu a proposta inicial para o fundo apresentada pela presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, contra outras alternativas.

Costa salientou também que "nesta fase o essencial é ter um acordo em julho" e considerou que "este não é o momento de traçar linhas vermelhas" mas sim de "abrir vias verdes" para se chegar a um acordo no seio europeu.

Para Costa, a proposta da Comissão Europeia é "particularmente inteligente" porque não propõe "nem um cheque em branco nem uma nova troika", mas defendeu que reduzir a dimensão do programa europeu de recuperação é "reduzir a capacidade de resposta a crises e qualquer agravamento".

Por outro lado, Sánchez considerou que a pandemia de coronavírus deixou "lições" sobre a importância de políticas que outros homólogos europeus tinham questionado, tais como as políticas de coesão e a PAC.

Ambas políticas, disse, provaram ser fundamentais durante a pandemia, porque tornaram possível, por exemplo, garantir o abastecimento alimentar.

Costa, na mesma linha, lançou um aviso: "Não deve haver cortes na política de coesão nem no segundo pilar da Política Agrícola Comum".