EFEAtenas

O alojamento dos refugiados que ficaram sem abrigo após o incêndio no campo de Moria num novo local de tendas continua devagar este domingo, onde nas primeiras 24 horas só cerca de 200 pessoas se conseguiram instalar.

O processo está a arrastar-se não só porque cada pessoa que entra neste novo acampamento deve registar-se à entrada, mas também porque devem fazer um teste da COVID-19 antes de poderem entrar na tenda que lhes foi atribuída.

O ministro da Migração, Notis Mitarakis, informou em declarações desde o novo campo que tinham sido detetados sete casos positivos entre as 200 pessoas registadas.