EFEBerlim

A empresa alemã BioNTech e a sua parceira americana Pfizer acordaram com a Comissão Europeia o fornecimento de 200 milhões de doses adicionais da sua vacina contra a covid-19 aos Estados membros da UE.

Esta informação foi avançada esta quarta-feira pelas próprias companhias, que indicam ainda que a CE garantiu ainda a opção de pedir outras 100 milhões de doses.

O novo acordo complementa o anterior, fechado no ano passado, que contempla o envio de 300 milhões de doses ao longo de 2021.

As 200 milhões de doses adicionais também deverão ser entregues ao longo deste ano, e parte delas, 75 milhões, durante o segundo trimestre, segundo o acordo.

Com isso, a UE deverá receber da BioNTech e Pfizer ao longo deste ano um total de 500 milhões de doses, que poderão aumentar a 600 milhões caso se recorrer à opção adicional.

Estas 500 milhões de doses vão permitir a vacinação de 250 milhões de cidadãos europeus, dado que são precisas duas doses da vacina para conseguir a proteção completa.

"Somos conscientes que mais pessoas precisam de ser vacinadas para derrotar o vírus na Europa e conter a pandemia em todo o mundo. Trabalhamos incansavelmente no apoio às campanhas de vacinação na Europa e no mundo, aumentando as nossas capacidades de produção", disse o CEO da Pfizer, Albert Bourla.

O CEO da BioNTech, Ugur Sahin, por sua parte, disse que o acesso amplo a vacinas eficazes são chave para fazer frente à pandemia, pelo que a empresa quer aumentar as suas capacidades de produção para conseguir fabricar 2.000 milhões de doses ao longo de 2021.

Sahin recordou que a nova fábrica de Marburg (centro da Alemanha) começa a produzir este mês e que a BioNTech estendeu a sua rede de cooperações.

A vacina da Pfizer/BionTech, a primeira a receber a aprovação na UE, tem uma eficácia contra a covid-19 acima de 90%.