Rio de Janeiro, 23 de maio (EFE) - Embora o Brasil já tenha ultrapassado as 21.000 mortes causadas por COVID-19 e seja o segundo país do mundo com mais casos confirmados, a divulgação de um vídeo de uma reunião ministerial comprometedora reiterou a falta de interesse do presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia.

Na reunião, onde a rudeza e os insultos foram os protagonistas, prevaleceram questões pessoais para o presidente e para aqueles que o irritam, como políticos que não são do seu agrado, mas a crise sobre a pandemia praticamente não foi debatida, algo que foi destacado na capa dos principais jornais brasileiros e por analistas políticos.

A controvertida reunião de ministros - gravada em vídeo - teve lugar no passado dia 22 de Abril, dois dias antes da demissão do Ministro da Justiça Sergio Moro, que ao deixar o cargo acusou Bolsonaro de "interferir politicamente" com a Polícia Federal, uma agência autónoma do Estado brasileiro.