EFEMinneapolis (EUA)

As forças de segurança em Minneapolis (Estados Unidos) prenderam este domingo cerca de 150 manifestantes que desafiaram o recolher obrigatório na primeira noite sem violência desde o início da revolta racial.

Ao contrário de sábado, quando polícias e militares utilizaram a força para dispersar os protestos, a estratégia deste domingo foi cercar por completo o grupo que, ao ver-se sem saída possível, não apresentou resistência.

Os agentes detiveram os integrantes do grupo um a um sem qualquer incidente.

Este era o último grupo que ficava nas ruas depois de uma grande manifestação com milhares de pessoas, que ao longo do dia reivindicaram a detenção dos três ex-polícias livres envolvidos na morte do afroamericano George Floyd.

Apesar do tom pacífico da manifestação da tarde, esta esteve marcada pela tentativa de uma pessoa que conduzia um camião cisterna de atropelar os manifestantes.

Os próprios manifestantes detiveram e entregaram às autoridades o motorista, cujos motivos ainda se desconhecem.

"Não ter uma tragédia com muitos mortos é algo incrível", disse em conferência de imprensa o governador do Minneapolis, Tim Walz.

A morte de Floyd foi a faísca que ateou a revolta racial que começou em Minneapolis e se estendeu às principais cidades do país.