EFELisboa

Portugal, com pouco mais de 10 milhões de habitantes, tem já mais de 80% da sua população total com o calendário da vacina completo, tornando-se no país do mundo com mais pessoas imunizadas contra o coronavírus.

O último relatório de vacinação da Direção-Geral da Saúde (DGS), com dados até ao último domingo, mostra que cerca de 8,3 milhões de pessoas já estão totalmente imunizadas e mais de 8,8 milhões, 85%, têm pelo menos uma dose.

O avanço da vacinação torna Portugal como o país do mundo com uma maior percentagem da sua população com o regime completo, passando Malta, segundo o site "Our world in data", da Universidade de Oxford.

"Já ganhámos a este vírus, pelo menos a primeira batalha está ganha e isso é um grande alívio para todos nós", disse esta quarta-feira o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, que coordena o processo de vacinação no país, numa cerimónia em Viseu.

Após a demissão do primeiro coordenador em fevereiro por irregularidades na imunização, Portugal decidiu apostar por um militar para organizar o processo.

Sete meses depois, nos maiores de 65 anos, a percentagem de vacinados chega já a 100%, e o processo está agora centrado sobretudo nos menores: 84% dos adolescentes entre 12 e 17 anos têm pelo menos uma dose e 52% o regime completo.

Gouveia e Melo, que conta com proteção policial depois de um incidente com ativistas anti-vacinas que lhe chamaram "assassino", destacou esta quarta-feira que esses números foram possíveis porque no país existe apenas "uma pequena taxa de pessoas negacionistas".

REFLEXO NOS NÚMEROS DO VÍRUS

O forte avanço da vacinação reflete-se nos números registados pela pandemia em Portugal; primeiro foi no dado de internados e óbitos, mas agora também se nota na incidência, que encadeia semanas de descidas apesar do alívio das restrições.

A incidência a 14 dias voltou a descer esta quarta, para 191,1 casos por 100.000 habitantes, e o índice Rt, que mede o número de pessoas que cada infetado contagia, também caiu, para 0,84.

A DGS notificou 1.247 contágios -os melhores dados de uma quarta-feira em todo o verão- e 10 mortes, em linha com a média das últimas semanas.

O número de internados com o vírus caiu para 527, o menor valor em mais de dois meses, e 119 destes estão nos cuidados intensivos.

No total, desde o início da pandemia, Portugal notificou 1.058.347 casos e 17.882 mortes.

Esses são os números do país depois da quarta vaga vivida no verão devido à variante delta, que fez com que as infeções e a incidência aumentassem, embora tenha sido mais moderada em termos de óbitos e pacientes hospitalizados porque parte da população já estava vacinada.

A mais letal foi a terceira vaga que sofreu no início do ano com a variante britânica e que a fez liderar o número de óbitos ao nível mundial, o sistema de saúde entrou em colapso e levou o Governo a impor um confinamento total de dois meses.

ALÍVIO DE MEDIDAS

Esta semana fica marcada por um novo alívio de medidas, com o fim da obrigatoriedade de usar máscara na rua, e o Governo está a analisar qual será o próximo passo, para o qual haverá uma reunião com epidemiologistas esta quinta-feira.

Está praticamente tudo aberto no país -à exceção das discotecas- e foi implementado o uso do certificado digital para hotéis, viagens, grandes eventos e celebrações como casamentos ou batizados.

É também exigido para aceder ao interior dos locais da restauração aos fins de semana.