EFELisboa

Portugal formalizou hoje com China a sua adesão à nova Rota da Seda, com a qual esperam promover a "conetividade sustentável" entre a Europa e a Ásia e fomentar a cooperação com países da África e América Latina.

Assim se recolhe no memorando de entendimento assinado durante a visita de Estado a Portugal do presidente da China, Xi Jinping, que "consagra o aprofundamento do diálogo político e promove a conectividade sustentável entre Europa e Ásia" em diferentes âmbitos.

Entre eles figuram os transportes -especialmente o desenvolvimento de conexões estratégicas diretas por via aérea, terrestre e marítima-, a energia e o comércio livre, segundo a declaração conjunta assinada ao final da visita.

Portugal e China "reafirmaram também o interesse em fomentar a cooperação com países terceiros, em regiões como a África e América Latina".

Este memorando de entendimento sobre a rota é um dos dezassete acordos assinados numa cerimónia presidida por Xi Jinping e pelo primeiro-ministro português, António Costa, no Palácio de Queluz, a cerca de 15 quilómetros de Lisboa.

Costa tinha avançado na semana passada que Portugal se ia juntar à nova Rota da Seda com o porto de Sines, o maior de Portugal, situado a 160 quilómetros ao sul da capital lusa.

Entre o resto de acordos assinados destacam outro memorando sobre cooperação em matéria de comércio de serviços e pactos para a realização de festivais culturais e atividades sobre ciência e tecnologia.

Também há acordos para a produção conjunta de documentários, a criação de um laboratório de investigação avançada nos domínios do mar e espaço e um protocolo entre o Banco da China e a estatal Caixa Geral de Depósitos (CGD) sobre emissão de "panda bonds" -dívida em iuanes-.

Além disso, assinaram-se memorandos de entendimento entre empresas portuguesas e chinesas como a Energias de Portugal (EDP) e a China Three Gorges, Redes Energéticas Nacionais (REN) e State Grid, e o Banco Comercial Português (BCP) e UnionPay.

Xi Jinping finaliza hoje a sua visita de dois dias a Portugal, a primeira de um chefe de Estado chinês desde 2010, na qual se reuniu com as principais autoridades do país: o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, e o da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, além de Costa.