EFELisboa

A decisão de Londres de tirar Portugal da sua lista verde provocou uma chuva de cancelamentos de turistas britânicos e terá um impacto "desastroso" para o país, lamentou esta sexta-feira a Confederação de Turismo de Portugal.

"É uma notícia muito preocupante, não só para o turismo como para a economia nacional", assinalou a Confederação em comunicado.

"O impacto nas reservas, sobretudo no Algarve, será gigantesco", denunciou Francisco Calheiros, presidente da CTP.

"Já se sente o cancelamento de voos e reservas hoteleiras e o aumento dos voos de repatriação", lamentou João Fernandes, presidente do Turismo do Algarve.

A Madeira também se verá duramente afetada pela decisão do Governo de Boris Johnson, admitiu hoje o secretário de Estado de Turismo da ilha, Eduardo Jesus.

"Não há nenhum fundamento científico para esta decisão", afirmou Jesus, que admitiu que o anúncio britânico os apanhou "de surpresa".

A decisão britânica chegou como um balde de água fria em Portugal, que começava a receber milhares de turistas do Reino Unido no seu litoral e que acaba de albergar uma polémica final da Liga dos Campeões entre Chelsea e Manchester City que desatou duras críticas pelos excessos permitidos aos fãs das equipas inglesas em comparação com as restrições obrigatórias para os portugueses devido à pandemia.

O Governo britânico anunciou esta quinta que Portugal -incluindo Açores e Madeira- ficava de fora da sua lista verde, argumentando que os casos de covid aumentaram e que foi detetada uma nova variante do vírus.

Especialistas portugueses apressaram-se a rejeitar os argumentos de Londres e apontaram que, por trás desta decisão, não só há motivos sanitários como também económicos, pois pedir aos britânicos para que "fiquem em casa" pode ajudar a impulsionar a igualmente atingida economia local.