EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, demitiu esta terça-feira o chefe da agência de segurança cibernética americana que na semana passada disse que as eleições presidenciais de 3 de novembro foram "as mais seguras da história".

"A recente declaração de Chris Krebs sobre a segurança das eleições de 2020 foi muito imprecisa, pois houve fraude e irregularidades massivas", alegou o presidente no Twitter, ainda sem apresentar provas das acusações.

"Portanto", acrescentou Trump, "com efeito imediato, Chris Krebs foi demitido como diretor da Agência de Segurança de Infraestrutura e Cibersegurança (Cisa)", uma agência subordinada ao Departamento de Segurança Nacional (DHS).

"A única coisa certa sobre as nossas eleições em 2020 foi que eram praticamente impenetráveis às potências estrangeiras. Nisso, a Administração Trump tem grande mérito", acrescentou.

A decisão de Trump foi tomada depois da Cisa, através do seu comité coordenador para a infraestrutura eleitoral, informar na última quinta-feira que as eleições foram "as mais seguras da história".

"Não há provas de que qualquer sistema de votação tenha eliminado ou perdido votos, alterado os votos ou sido afetado de alguma forma", afirmou a agência num comunicado que teve muito impacto por contradizer diretamente as alegações de fraude de Trump.

Krebs foi o primeiro diretor da Cisa, um cargo criado em 2018 por Trump, porque até então a agência era comandada por um vice-secretário do DHS.