EFEBruxelas

Após longas negociações, a União Europeia (UE) e o Reino Unido chegaram esta quinta-feira a um novo acordo para a saída do país do bloco, segundo anunciaram pelo Twitter o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

"Onde há vontade, há um acordo. Temos um!", disse Juncker numa mensagem que mostra uma carta que recomenda que os líderes da UE apoiem o pacto durante a cimeira que ocorre hoje e sexta-feira em Bruxelas.

Segundo Juncker, trata-se de um acordo "justo e equilibrado" que é testemunha de "compromisso para conseguir soluções". "Recomendo que o Conselho Europeu apoie este acordo", ressaltou.

Na mesma rede social, Boris Johnson afirmou que o Parlamento britânico precisa agora de aprovar o acordo numa sessão extraordinária no próximo sábado.

"Temos um grande e novo acordo com o qual assumimos outra vez o controlo (do país). Agora, o Parlamento precisa de concluir o "brexit" no sábado para podermos passar a outras prioridades, como o custo de vida, o NHS (saúde pública), os crimes violentos e o nosso ambiente", escreveu o primeiro-ministro no Twitter.

Johnson, que esta quinta-feira viaja a Bruxelas para a cimeira europeia, encerrou a sequência de tweets com as frases "concluir o Brexit" e "assumir novamente o controlo".

Nos últimos dias intensificaram-se as negociações lideradas pelo francês Michel Barnier, o principal negociador da União Europeia para o "brexit". O máximo entrave para um acordo era encontrar uma solução para não erguer uma fronteira física entre a Irlanda do Norte (que faz parte do Reino Unido) e a Irlanda.

Na carta dirigida ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, Juncker pediu aos 27 Estados-membros da UE que deem sinal verde ao texto revisto e à nova declaração de intenções sobre a futura relação entre a União Europeia e o Reino Unido, de modo a avançar "com rapidez" para o debate sobre esse futuro vínculo.

"Os negociadores chegaram a um acordo sobre um protocolo revisto para a Irlanda e a Irlanda do Norte e uma declaração política revista em 17 de outubro de 2019. Ambos foram validados pela Comissão Europeia. O primeiro-ministro britânico também me transmitiu hoje a sua aprovação a estes documentos", disse Juncker na carta.

Segundo Juncker, a nova declaração política sobre a relação futura reflete a mudança de vontade do novo governo britânico, que após a chegada de Boris Johnson se mostrou a favor de um estatuto mais distante no futuro vínculo com a UE, embora o texto final ainda não tenha sido divulgado.

O acordo precisa do aval dos líderes dos 27 Estados-membros e passar durante o fim de semana pelo trâmite da ratificação na Câmera dos Comuns do Reino Unido, onde o texto pactuado anteriormente entre Londres e Bruxelas foi rejeitado três vezes.

O norte-irlandês Partido Democrático Unionista (DUP), parceiro do atual governo britânico, já expressou a sua oposição ao acordo.

Caso seja aprovado, o carimbo final ao novo acordo seria colocado pelos embaixadores da União Europeia no domingo e no Parlamento Europeu durante o plenário da próxima semana em Estrasburgo. Fontes parlamentares disseram à Efe que o Parlamento Europeu pode votar o acordo na próxima quarta-feira.