EFESanta Cruz de La Palma (Espanha)

Após um mês desde o início da erupção do vulcão Cumbre Vieja na ilha espanhola de La Palma, a superfície afetada pela lava chegou já a 763 hectares e 1.956 edifícios destruídos, segundo o último relatório do Departamento de Segurança Nacional de Espanha (DSN) emitido esta terça-feira.

O DSN também informou que a erupção continua e que a faixa principal dos fluxos de lava é ao longo do flanco norte, descendo pelo lado norte dos fluxos anteriores, seguindo trajetórias para oeste e noroeste, e dentro da zona de exclusão atual.

Quanto ao fluxo que poderá chegar novamente ao mar, situado a sudoeste da montanha de La Laguna, encontra-se a cerca de 160 metros da costa, embora nas últimas horas tenha diminuído o seu avanço até 2 metros por hora.

O tráfego aéreo no aeroporto de La Palma continua operacional mas com atrasos nos voos entre as ilhas do arquipélago das Canárias causados pela nuvem de cinza vulcânica, que forma já uma coluna de 4.200 metros de altura; o aeroporto de Tenerife também está a funcionar normalmente, embora tenha havido cancelamentos e desvios de voos na segunda-feira.

A direção do PEVOLCA (Plano Especial de Proteção Civil e Atenção a Emergências por Risco Vulcânico), recomendou à população da localidade de El Paso que fique dentro de casa devido às condições meteorológicas desfavoráveis para a qualidade do ar anunciados pela intrusão de névoa e vento vindos do mar.

Dados do Instituto Geográfico Nacional (IGN) indicam que desde a última meia-noite a atividade sísmica na ilha de La Palma reduziu-se ligeiramente em relação aos dias anteriores, com 14 movimentos registados nas primeiras horas desta terça-feira.

O terramoto de maior intensidade hoje, de 3,9, foi no município de Fuencaliente, a uma profundidade de 37 quilómetros, segundo as medições do IGN.