EFESanta Cruz de la Palma (Espanha)

O vulcão da ilha espanhola de La Palma entra na sua sexta semana de erupção com novas frentes de lava e uma atividade que, longe de cessar, se está a intensificar, o que leva a um aumento da sismicidade intermédia e profunda, enquanto a qualidade do ar está a melhorar em Los Llanos de Aridane, El Paso e Tazacorte.

O último relatório do Departamento de Segurança Nacional (DSN), emitido às 06:00 GMT desta segunda-feira, mostra que, depois da reconfiguração do cone vulcânico, foi criado um novo fluxo para sul, que corre paralelo a uma das primeiras línguas.

Entretanto, o resto dos fluxos "mantêm a carga de lava com um fluxo que passa por tubos lávicos que alimentam tanto o fluxo original (delta) como dois dos localizados a norte, um perto da montanha de Todoque e outro em La Laguna", acrescenta o relatório.

Quanto à superfície afetada pela lava, esta aumentou no domingo para 852,27 hectares graças ao "fluxo de lava do sul e dos espaços que foram preenchidos nas áreas intermédias", embora a largura máxima entre os pontos extremos dos fluxos continue em 2.900 metros.

O DSN assinala também que houve um aumento da sismicidade intermédia e profunda, "com elevação das magnitudes na zona intermédia", o que levou a que esta manhã se registassem 84 terramotos em La Palma, três dos quais, o maior, com uma magnitude de 3,5.

No que diz respeito à qualidade do ar, a inversão térmica acima dos 1.500 metros está a favorecer a dispersão de gases nas zonas de Los Llanos de Aridane, El Paso e Tazacorte, e a concentração de partículas finas também melhorou nas últimas horas com o fim do episódio do ar subsaariano.