EFE

Kiev

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pediu no seu discurso desta madrugada que o Ocidente envie mais armas à Ucrânia e que adote "o antes possível" um sétimo pacote de sanções contra a Rússia, porque "a vida de milhares de pessoas depende da rapidez dos nossos parceiros".

"Em todas as negociações, enfatizo sempre que o sétimo pacote de sanções da União Europeia é necessário o antes possível. A Rússia deve sentir um aumento constante da pressão pela guerra e a sua agressiva política antieuropeia", disse.

"Outra ameaça russa à Lituânia, outra onda de pressão energética, outra vaga de mentiras de funcionários russos sobre a crise alimentar são todos argumentos para pactuar o sétimo pacote de sanções", advertiu.

"E da mesma forma ativa como lutamos por uma decisão positiva da União Europeia (UE) sobre a candidatura da Ucrânia, lutamos todos os dias pelo fornecimento de armas modernas para o nosso país. A vida de milhares de pessoas depende diretamente da rapidez dos nossos parceiros, da rapidez de implementação das suas decisões para ajudar a Ucrânia", afirmou.

Os pedidos de Zelensky acontecem um dia antes do início em Bruxelas da reunião de chefes de Estado e de Governo da UE, que deve ratificar o estatuto da Ucrânia como país candidato.

"Hoje foi um dia de atividade de política externa extremamente ativo, quase uma maratona de conversas telefónicas. Estamos a aumentar o número de quem defende a candidatura da Ucrânia e a crescer a confiança de que a decisão de sexta-feira será positiva", disse Zelensky no seu discurso.

O presidente da Ucrânia enumerou todas as conversas que teve ontem com os líderes europeus para preparar a cimeira (Eslováquia, Lituânia, Hungria -disse que convidou o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, a visitar Kiev- Portugal, Dinamarca, Espanha, Irlanda e Croácia).

"Numa conversa com o presidente do Governo (de Espanha) Sánchez, assinalei que a nossa cooperação fortaleceria tanto a Ucrânia como a toda a União Europeia. Discutiu-se o possível resultado da Cimeira da NATO em Madrid, que acontecerá no final de junho", explicou Zelensky.

"Farei todo o possível para garantir que se adote a decisão histórica da União Europeia. Isto é importante para nós", disse Zelensky sobre a candidatura.