EFEMadrid

Os ministros dos Negócios Estrangeiros de Espanha e Portugal, Alfonso Dastis e Augusto Santos Silva, bem como o espanhol de Educação e Cultura, Íñigo Méndez de Vigo, avaliaram hoje o poder das línguas espanhola e portuguesa, ao reivindicar uma maior cooperação nesta matéria entre ambos países.

Na abertura do I Simpósio das línguas espanhola e portuguesa, realizado hoje na sede da Secretaria-geral Ibero-Americana em Madrid, os ministros analisaram o estado de ambos idiomas e as perspectivas que existem para os próximos anos.

Méndez de Vigo afirmou que a história de Portugal e Espanha "é uma viagem de duas direções" que os dois países "fizeram lado a lado", um "rumo ao novo mundo" e outro desde a península ibérica "rumo ao coração do velho continente".

O ministro aludiu também à expedição Magalhães-Elcano, que em 2019 vai cumprir cinco séculos e que, segundo a sua opinião, significou a "conversão" do espanhol e do português "em línguas globais".

Em Espanha "estamos a estudar a quantificar o valor de uma língua que ultrapassa fronteiras", disse o ministro, ao considerar que não se trata de "uniformizar" os idiomas mas de "expandir laços".

Pelo seu lado, o chanceler espanhol, Alfonso Dastis, celebrou que precisamente nestes dias Portugal é o convidado especial na Feira do Livro de Madrid, "mas também aspectos mais levianos da cultura, como o êxito na Eurovisão".

Dastis defendeu "impulsionar a comunidade ibero-americana através do bilinguismo", algo fundamental que, ao seu parecer, serve para "defender a diversidade".

Além disso, lembrou que este simpósio responde aos mandatos "de várias Cimeiras Ibero-americanas, começando pela de Salamanca de 2005, onde o Brasil compartilhou a sua decisão de introduzir o espanhol no currículo de estudos como disciplina estudantil optativa".

O chanceler português, Augusto Santos Silva, advogou que ambas nações promovam o ensino da língua do outro no sistema de educação, e pediu esforços para que estes idiomas sejam mais utilizados na divulgação científica e na inovação.

"O espanhol e o português estão entre as cinco línguas mais usadas na internet, são línguas demográficamente vivas, são instrumentos de comunicação muito próximas entre si, mas também línguas globais, sendo duas das mais faladas e internacionalizadas no mundo contemporâneo", acrescentou.

A secretária-geral ibero-americana, Rebeca Grynspan, insistiu que o encontro "vem cumprir um dos mandatos emanados da passada Cimeira Ibero-Americana de Cartagena das Índias", desde onde se encomendou "impulsionar iniciativas sobre bilinguismo".

Na inauguração também participaram o diretor da Real Academia Espanhola da Língua, Darío Villanueva, e a diretora do Instituto Internacional da Língua portuguesa, Marisa de Mendonça.