EFELisboa

Um total de 37 membros do grupo de motociclistas "Hells Angels" que permaneciam privados de liberdade em Portugal acusados de vários delitos, entre eles associação criminosa, foram libertados esta segunda-feira por exceder o tempo legal de prisão preventiva.

Ao todo eram 33 pessoas que estavam num centro penitenciário e quatro que se encontravam em prisão domiciliária, todos em regime de prisão preventiva, há um ano e cerca quatro meses à espera de que concluísse o processo de instrução da sua causa, na qual são investigados por associação criminosa, tentativa de homicídio e tráfico de armas e de droga, entre outros.

A decisão de possível abertura de julgamento não estará pronta até pelo menos ao próximo dia 18, pelo que teriam então excedido o máximo legal de um ano e quatro meses de prisão preventiva para este tipo de casos, o que levou a Justiça a libertá-los.

No entanto, vão ficar em prisão preventiva outros três indivíduos, também membros da mesma organização motard, que foram detidos em datas posteriores.

Os 37 "Hells Angels" que vão sair nestes dias à rua foram detidos numa operação realizada em julho de 2018 em várias cidades de Portugal, na qual participaram meio milhar de agentes.

Segundo informações da imprensa local, o caso está relacionado com uma agressão entre dois grupos de motards ocorrido em março desse ano nos arredores da capital lusa.