EFELisboa

O primeiro-ministro de Portugal, o socialista António Costa, anunciou hoje que o estado de crise energética que rege no país irá concluir nesta meia-noite como consequência do fim da greve de motoristas de matérias perigosas, decidida pelos trabalhadores este domingo.

"Estamos em condições de reunir o Conselho de Ministros e de aprovar o fim da declaração de crise energética para as 24 horas de hoje", disse o primeiro-ministro à imprensa durante uma visita à Entidade Nacional para o Setor Energético, onde foi informado sobre a situação atual do abastecimento de combustível.

Ao concluir o estado de crise energética, iniciado no último dia 9, põe-se fim às medidas extraordinárias que esta medida prevê, entre elas os limites para o abastecimento dos cidadãos, que não podiam reabastecer mais de 15 litros de cada vez.

Além disso, foi criada uma rede de abastecimento de emergência para serviços prioritários, como transporte de medicamentos e militares, entre outros.

Procurava-se com isso minimizar os efeitos colaterais da greve de motoristas de matérias perigosas, que foi desconvocada este domingo após seis dias de greve que geraram um forte alarme social com o receio de desabastecimento.

Segundo Costa, o país vai demorar "dois a três dias em ter normalidade no abastecimento".