EFELisboa

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, começa esta terça-feira dois dias de reuniões com os diferentes partidos antes de anunciar medidas para travar o aumento dos casos de covid-19 no país.

Costa prevê reunir-se esta terça com a Iniciativa Liberal, o Bloco de Esquerda, o Partido Comunista, o democrata-cristão CDS-PP, o partido de extrema-direita Chega, Os Verdes (PEV) e o animalista PAN.

Amanhã esperam-se consultas com o PSD, o maior partido da oposição.

A intenção de Costa é anunciar as medidas depois do Conselho de Ministros, que terá lugar esta quinta-feira.

"Hoje não é dia para falar, hoje é dia de ir ouvir os partidos. Amanhã vou continuar a ouvir os partidos e na quinta-feira irei falar", disse hoje o primeiro-ministro à imprensa.

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, descartou o confinamento geral por considerar que a situação atual não tem comparação com a de há um ano.

"A situação não aponta para isso neste momento", disse ontem à noite, ainda que recordou que é preciso "esperar" pela decisão de Costa depois de ouvir os partidos.

Portugal atravessa uma quinta vaga de covid, com uma incidência a 14 dias que esta segunda-feira atingiu os 228,9 casos por 100.000 habitantes, enquanto o índice de transmissão do vírus (Rt) também aumentou, até 1,19.

O país avança com a terceira dose de vacinação -86% da população conta o regime completo- e propõe vacinar os menores de 12 anos depois de um aumento na deteção de contágios nessa faixa etária.

Face ao aumento dos contágios, e com as festas do Natal à porta, Costa convocou na sexta-feira passada uma reunião com especialistas em que foi recomendado recuperar o uso da máscara no exterior, fazer mais testes, reduzir capacidade em locais públicos e agilizar os processos de vacinação, entre outras medidas.