EFELisboa

O primeiro-ministro português, António Costa, descarta um novo confinamento geral em Portugal para combater a expansão do coronavírus, como aconteceu na primavera, e descreve a atual situação no país de "grave", já que os contágios têm aumentado de forma exponencial no último mês.

Numa entrevista à TVI, Costa assegurou que "um novo confinamento é impensável" e apelou ao comportamento cívico dos portugueses para evitar a expansão do vírus.

A pressão hospitalar está no foco do Governo, pois esta segunda-feira havia 1.174 internados, enquanto as unidades de cuidados intensivos (UCI) estão a 70% da sua capacidade, com 165 doentes de covid-19.

Costa explicou que, caso seja necessário, podem aumentar a capacidade das UCI com meio milhar de camas, podendo inclusivamente adicionar outras 700.

Portugal contabilizou esta segunda 1.949 positivos de covid-19, acumulando desde o início da pandemia um total de 101.860 pessoas contagiadas e 2.198 falecidos.

Portugal encontra-se atualmente em estado de calamidade, durante o qual os ajuntamentos na rua não podem ter mais de seis membros, e o Governo vai promover uma lei no Parlamento para que em breve seja obrigatório o uso de máscara na rua.

O Executivo português espera também o apoio do Parlamento para impulsionar a utilização generalizada da "Stayaway Covid", a aplicação de rastreamento do vírus que alerta dos contactos com positivos e que tem provocado um tenso debate político no país.