EFELisboa

O primeiro-ministro português, António Costa, considerou hoje que a quarentena imposta pelo Reino Unido aos viajantes vindos de Portugal "não tem sentido".

"A posição do Reino Unido não tem sentido dado o nível de contágio no Reino Unido em comparação com as diferentes regiões de Portugal", disse Costa hoje numa conferência de imprensa em Lisboa realizada depois da reunião com o presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez.

O chefe do Governo português disse que, dado o nível de contágio em ambos os países, "não há razão para que (os viajantes) não se sintam mais seguros em Portugal do que no Reino Unido".

Costa insistiu que a orientação da Comissão Europeia deve ser seguida e abrir as fronteiras entre países que "atingiram um nível de contágio semelhante".

"É necessário restabelecer relações de confiança", concluiu.

O primeiro-ministro português criticou na semana passada a decisão britânica com uma mensagem no seu perfil no Twitter comparando os casos de COVID-19 no Reino Unido e no Algarve, o destino habitual dos britânicos em Portugal.

"Qual é o lugar mais seguro? São bem-vindos a passar umas férias seguras no Algarve", escreveu Costa em inglês, juntamente com um gráfico mostrando que existem 418 casos de coronavírus por 100.000 pessoas no Reino Unido, em comparação com 142 no Algarve.

O Reino Unido é o principal mercado turístico para Portugal, especialmente em destinos como o Algarve ou o arquipélago da Madeira.

Os cidadãos britânicos que decidirem viajar para Portugal este verão terão passar por um período de quarentena no seu regresso, depois do Governo britânico ter excluído o país luso da lista de 59 países e 14 territórios ultramarinos britânicos cujos cidadãos estão isentos.

Portugal, que no princípio conseguiu controlar melhor a pandemia do que os seus vizinhos europeus, está a sofrer surtos que estão a atingir a região de Lisboa de forma particularmente dura.

Até à data, o país registou 44.129 casos positivos e 1.620 mortes por coronavírus.