EFEPorto (Portugal)

Seria possível Espanha e Portugal adotarem um modelo similar ao "Benelux", integrado pela Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo? O autarca da cidade do Porto, Rui Moreira, aposta por uma estratégia ibérica coordenada a nível internacional que até já tem um nome: Iberolux.

"Sempre achei, desde que Portugal e Espanha têm democracias, que deveríamos ter um Iberolux, como um Benelux", afirmou Moreira numa entrevista com a Efe no Porto.

Espanha e Portugal, acrescentou, "deveriam ter uma estratégia coordenada, já que durante muitos anos vivemos de costas e com enormes suspeitas e desconfianças".

"Hoje, a união entre as nossas cidades é óbvia e falamos um idioma que não é o mesmo, mas entendemo-nos", ressaltou Moreira, que chegou à Câmara do Porto em 2013 à frente de uma candidatura independente apoiada pela direita.

O projeto comum vai além das fronteiras europeias e atinge a Iberoamérica, "essencial para nós (Portugal e Espanha)", disse o autarca, que também é partidário de conceder aos meios de comunicação um especial protagonismo na construção da "identidade ibérica".

"Gostaria que houvessem mais programas de televisão ligados (entre Espanha e Portugal)", desejou Moreira, que se confessou leitor de jornais espanhóis apesar das dificuldades de os encontrar em Portugal.

Exemplo dos bons resultados da colaboração entre ambos países é o projeto Xacoveo 2021, que inclui uma programação conjunta coordenado pelo presidente da Câmara de Viana do Castelo, a meio do caminho entre o Porto e Santiago de Compostela, indicou.

"O Minho deixou de ser fronteira" e o Norte de Portugal e a Galiza vivem "um momento fantástico" em matéria turística, destacou o autarca. "Fazemos um trabalho excelente com Câmaras e com o Governo da Galiza".

O Caminho de Santiago tornou-se também numa referência para Portugal -quase um quarto dos peregrinos começam o percurso em terra lusa- e o país, explicou, trabalha no desenvolvimento das rotas da Costa e o Caminho do Interior.

Além disso, sublinhou, as ligações aéreas com Madrid e Barcelona convertem o Porto num ponto estratégico para o turismo e as comunicações em Portugal.

"Madrid é importantíssimo para nós e há muitos portugueses, entre os quais me incluo, que quando vão para a América Latina preferem usar a conexão com Madrid", assegurou.

Mas tanto o turismo como o crescimento dos centros urbanos deve ser acompanhado de medidas que garantam a sustentabilidade das cidades que, segundo Moreira, passa pelo equilíbrio entre três eixos: ambiental, económico e social.

"Se neste triângulo nos inclinamos mais para um lado ou para outro, não vamos conseguir os desafios que se pretendem para a Europa", argumentou.

Fã de futebol, Moreira falou também do guarda-redes espanhol Iker Casillas, agora no Porto.

"Casillas é um bom amigo meu que adotou o Porto e que o Porto o adotou e são uma família fantástica e exemplar (...) Gostam muito de viver no Porto e queremos que continuem aqui. Não sei em que condição, mas espero que ele continue sempre por aqui", concluiu.

Por Carlos García