EFELisboa

O Banco de Portugal (BdP) melhorou a projeção de crescimento do PIB em quase um ponto, até 4,8% em 2021, uma das previsões mais otimistas.

Contudo, a instituição comandada por Mário Centeno, ministro das Finanças até 2020, admitiu "efeitos duradouros" do impacto da crise causada pela covid-19 em alguns setores económicos.

A recuperação económica após a pandemia, segundo o BdP, será rápida, e a sua previsão atualizada melhora quanto ao augurado em março, em que previu um crescimento de 3,9%.

Esta é também melhor que a previsão da Comissão Europeia, que em maio avançou um 3,9%, e a da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), de 3,7%.

A atividade a curto prazo, em particular a melhoria da confiança dos agentes económicos, o aumento da procura e o investimento público estão por trás desta revisão em alta.

A nova previsão alinha-se com as expectativas do Governo português, que no Programa de Estabilidade apresentado em abril projetava um crescimento de 4% do PIB. No entanto, depois avançou que a economia portuguesa irá crescer mais um ponto.

O Banco de Portugal também se mostra otimista nas suas previsões para 2022, com uma melhoria das previsões do original 5,2% a 5,6%, mais quatro décimas.

Caso esta tendência se confirme, o PIB português irá crescer 2,4% em 2023, um número semelhante a 2019.

Apesar do entusiasmo, o BdP alerta sobre os "efeitos duradouros" da crise em alguns setores e os desequilíbrios do mercado de trabalho português.