EFELisboa

O Natal é tenso entre Espanha e Portugal devido a um parque temático natalício, Capital do Natal, inaugurado há menos de uma semana numa zona próxima de Lisboa e que já recebeu mais de cem queixas de turistas espanhóis, que assinalam que não há neve na rua nem renas com chifres.

"Inspirado na Lapónia", asseguraram os organizadores, a empresa Christmas Fun Park, para promover o recinto, 72.000 metros quadrados cobertos com tapete verde e nos quais há uma "montanha" para que as crianças deslizem numa bóia, uma roda gigante, tendas de índios, uma pista de patinagem e um lago.

Dentro de várias tendas em forma de iglú há ainda oficinas para fazer bolachas, escolas de elfos, a maior pista de patinagem de gelo do país -1.000 metros quadrados- e a jóia da coroa, uma recreação de ambiente polar a 2 abaixo de zero, com esculturas de gelo e batalhas de bolas de neve.

Uma autêntica capital do Natal, como avança o seu nome, que obteve uma enorme repercussão mediática em Portugal e Espanha e que no seu primeiro fim de semana aberto -com preços de 25 euros para crianças e 30 para adultos- encontrou um revés.

Longas filas, solo cheio de lama, renas sem chifres e falta de neve foram algumas das críticas dos visitantes, a maioria extremenhos que também fizeram notar que não tinha neve nas ruas, como tinham apreciado nas fotos divulgadas para promover o parque, que apresentavam um ambiente digno de postal.

Na segunda-feira ultrapassou-se as queixas na União de Consumidores da Extremadura (UCE) por publicidade enganosa, e inclusivamente vários municípios suspenderam as excursões que tinham previstas, como a localidade de Villanueva del Fresno, "depois de comprovar" que o parque "não cumpre nem as mínimas expectativas".

A questão, denuncia a empresa responsável, é que as expectativas se fundamentavam em fotos que o recinto não tinha divulgado e que vêm de sites e blogues que lhes são "alheios".

O PARQUE TAMBÉM SE DECLARA "VÍTIMA"

"São websites alheios a nós, de blogues, de agências de viagens em Espanha que de 'motu proprio' decidiram promover o nosso projeto. Fizeram-no baseados em informações de imprensa portuguesa e sem nos contactar diretamente", argumenta à Efe Rui Madureira, que faz parte da organização.

As fotos e frases pomposas que ofereciam pistas de esqui com gelo e neve real nunca partiram da empresa, ressalta Madureira, que assegura que os promotores do parque também são "vítimas" desta situação.

A polémica pode gerar um prejuízo de "centenas de milhares de euros" a um projeto que conta com um investimento de mais de seis milhões, pelo que os responsáveis anunciam ações legais contra quem, consideram, inventam acusações para os prejudicar.

Mesmo assim, admitem algumas críticas. Parte do solo ficou com lama devido às intensas chuvas de sábado, "mais fortes do que o normal", o que, por sua vez, fez com que houvesse maiores filas para entrar nas atividades a coberto e que os trabalhadores ficaram sobrecarregados.

Mas pelas renas não passa.

"Não têm hastes porque caem no início do outono e voltam a sair na primavera. Caem naturalmente", destaca. As renas, diz, foram retiradas para "não ferir a suscetibilidade" dos que criticaram que retivessem animais, e depois da intervenção do Instituto de Conservação de Natureza e das Florestas.

"HISTERIA COLETIVA"

A polémica transcendeu a Extremadura e instalou-se na própria Câmara de Oeiras, o município que acolhe o parque e cujo vice-autarca, Francisco Gonçalves, assegurou que as críticas são "histeria coletiva".

"Talvez as pessoas esperavam viajar de rena, é pedir demasiado", opina Axel, que visita o parque com a sua mulher, Jéssica, e o seu bebé, de apenas três meses.

A família vem de Barcelona e conta à Efe que foram alertados da polémica poucas horas antes de chegar. A sua opinião é que "há coisas que podem ser melhoradas", mas o Capital do Natal cumpre com as expectativas.

Podia ter "um pouco mais de atividade, porque eu acho que o espaço que têm é muito grande, mas está tudo muito espaçado, ou não tem tanta gente como eu esperava. Poderiam pôr mais algum tipo de atração", considera Jéssica.

Fátima e Fernando, que vêm de Cáceres, também estão satisfeitos.

"Vi-o anunciado na internet, claro que vi as fotos tão polémicas que têm saído, mas apesar de tudo o que falam dele eu queria ver com meus próprios olhos e dar uma oportunidade às coisas", explica Fátima.

E, acrescenta, "do que têm falado e o que estou a ver, pois não acho que seja tão mau como o puseram. Não vejo nada de lama nem nada sujo. É verdade que não há neve nas ruas, mas a mim parece-me que está bastante bem", defende.

Por Cynthia de Benito