EFELisboa

A carga fiscal de Portugal atingiu um máximo histórico em 2020, ficando em 34,8 do produto interno bruto (PIB), duas décimas acima da estimativa do Governo do socialista António Costa.

Segundo divulgou esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE), a carga fiscal do ano passado representou 70.400 milhões de euros, o valor mais elevado desde o começo dos registos por parte do INE em 1995.

As receitas procedentes do IVA e do imposto de sociedades reduziram-se em 1.994 e 1.129 milhões de euros, respetivamente, frente ao ano anterior.

Contudo, o angariado pelas contribuições sociais aumentou em 237 milhões, enquanto o conseguido com o IRS representou um aumento de 419 milhões de euros face a 2019.

Apesar da contração económica causada pela pandemia, o aumento responde aos mecanismos postos em prática pelo Governo português, tais como a suspensão de emprego ("lay-off") para diminuir o impacto da covid no emprego e nos salários.

Em comparação com o resto da União Europeia, Portugal manteve uma carga fiscal 3,8 pontos percentuais inferior à média comunitária -40,4%- e está em oitavo lugar na lista dos 27.