EFELisboa

A portuguesa Cofina anunciou hoje que lançou uma opa sobre a totalidade das ações do grupo de comunicação Media Capital, propriedade da espanhola Prisa e que ostenta, entre outros, o canal generalista TVI.

Em comunicado remitido à Comissão do Mercado de Valores Mobíliarios (CMVM), Cofina indicou que procura comprar mais de 84 milhões de ações, o que implicaria um desembolso de 255 milhões de euros.

Para isso, admite, terá que acometer um aumento de capital.

A culminação da opa, adverte Cofina, está submissa à não "oposição da Autoridade de Concorrência" portuguesa, assim como a autorização da Entidade Reguladora para a Comunicação Social, entre outros requisitos.

Também deverá ser aprovada por parte da Assembleia Geral de Prisa.

Media Capital foi criado em 1992 e desde 2005 está sob o controle de Prisa, que atualmente é proprietário do 95% do grupo.

Fazem parte do grupo a cadeia TVI - que faz uns meses perdeu a sua posição de líder de audiências após mais de 12 anos -, a produtora Plural Entertainment, várias emissoras como Rádio Comercial e M80 e o fonográfica Faróis.

Se se concretizar a sua compra por parte de Cofina, Media Capital se integraria num grupo ao que pertencem meios como o sensacionalista "Correio dá Manhã" - o jornal mais vendido de Portugal - e a cadeia Correio dá Manhã TV, o desportivo "Record", o econômico "Jornal de Negócios" e a revista "Sábado".

Prisa chegou em 2017 a um acordo com o grupo de telecomunicações francês Altice para vender-lhe Media Capital por 440 milhões de euros.

No entanto, a operação fracassou um ano depois pela falta de autorização da Autoridade de Concorrência portuguesa, que considerou que poderia supor um aumento de custos de 100 milhões de euros anuais aos seus competidores, o que acabaria repercutindo no preço ao cliente.

Media Capital obteve um lucro de 21,6 milhões de euros em 2018, um 9% mais que um ano antes.