EFELisboa

A comissão independente criada pela Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) para estudar os abusos sexuais a menores cometidos no seio da Igreja, apresentada publicamente no passado 11 de janeiro, recolheu 102 depoimentos em cinco dias.

Estes são testemunhos enviados à comissão independente por correio eletrónico ou telefone, segundo o coordenador da comissão, o psiquiatra infantil Pedro Strecht.

O objetivo desta comissão é analisar os casos ocorridos desde 1950 para ter uma ideia de quantos são e as suas características, e todos os que não tiverem prescrito serão enviados à Justiça.

O trabalho para recolher as denúncias irá até finais de 2022 e acontece de maneira independente à Igreja.

Serão estudados tanto os abusos cometidos por membros da Igreja como por laicos envolvidos em atividades eclesiásticas.

Uma vez concluídos os trabalhos, a comissão elaborará um dossier que entregará à CEP para que esta tome as ações apropriadas.