EFELisboa

A dívida das administrações públicas de Portugal desceu 2.400 milhões de euros em novembro a respeito do mês anterior e situou-se em 242.800 milhões, o seu mínimo desde janeiro de 2017, anunciou hoje o Banco de Portugal (BdP).

O banco português argumentou em comunicado que esta descida, a terceira consecutiva, deveu-se em grande parte ao "reembolso antecipado dos empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI)", que tiveram um valor de 2.800 milhões de euros.

As reposições do FMI fizeram com que a dívida em Portugal tenha recuado até 7.500 milhões no último trimestre, após uma primeira metade de ano marcada por contínuas subidas neste indicador.

No que se refere à dívida pública líquida da administração lusa, o número caiu 600 milhões de euros a respeito de outubro e situou-se em 222,2 milhões.

O Banco de Portugal não especificou no comunicado qual é o peso que a dívida pública representa sobre o PIB do país.

No entanto, o ministro das Finanças de Portugal, Mário Centeno, estimou há algumas semanas que o número poderia rondar 126% do PIB, o que representa uma descida relativamente à marca de finais de 2016, quando se situava em 130,4%.

O peso excessivo da dívida é considerado pelos analistas como um dos principais problemas da economia lusa, já que o país dedica uma porcentagem relevante das suas receitas ao pagamento de juros.