EFELisboa

A escritora portuguesa Agustina Bessa-Luís, galardoada com o Prémio Camões e considerada uma das grandes autoras do seu país, morreu esta segunda-feira na sua casa do Porto aos 96 anos em consequência de uma longa doença.

Bessa-Luís, cuja morte foi confirmada pelo seu entorno à imprensa portuguesa, deixou a vida pública em 2006 por problemas de saúde, embora o seu nome e obra costumavam ser habituais em conversas literárias, nas quais se destacava a sua riqueza narrativa.

Nascida a 15 de outubro de 1922, era considerada uma das precursoras da literatura moderna e contemporânea do seu país.

Pertencente à corrente neoromântica, tornou-se conhecida para o grande público luso por causa da sua compilação dos costumes de Portugal dos séculos XIX e XX, recolhidos na sua obra "Sibila" (1954).

Outros dos títulos destacados do seu prolífico trabalho, que incluem cerca de meia centena de livros de ficção, contos, obras de teatro e biografias, são "Sebastião José" (1981) ou "A Muralha" (1957).

Em 2004 obteve o prémio mais importante da literatura em língua portuguesa, o Prémio Camões, um dos principais momentos de uma série de reconhecimentos que incluem o Grande Prémio da Associação Portuguesa de Escritores (1984 e 2002), o Prémio Nacional de Romance (1967) e o Prémio União Latina (1987).