EFELisboa

Os quatro espeleólogos portugueses presos no conjunto de grutas Cueto-Conventosa (Cantábria, norte de Espanha) têm entre 35 e 40 anos de idade e contam com mais de dez anos de experiência na exploração de cavernas na península ibérica.

O vice-presidente do Clube de Montanhismo Alto Relevo de Valongo (norte de Portugal), João Moutinho, explicou à Efe que os quatro homens presos são Daniel Pinto, Luís Sousa, António Afonso e Carlos Mendes, que residem na Maia, Guimarães, Caldas da Rainha e Vila do Conde.

O alarme foi dado na tarde de domingo, quando outros quatro colegas que tinham ido à região esperavam pela sua saída da caverna e, dado a demora, avisaram as autoridades.

O resgate complicou-se devido à subida do nível da água na gruta, embora os espeleólogos lusos já tenham sido localizados e as equipas esperam poder tirá-los hoje mesmo.

Segundo Moutinho, a gruta na qual se encontram não tem muita dificuldade técnica mas é bastante extensa.