EFELisboa

A moda em Portugal chama à sensibilização contra a violência de género e a sustentabilidade num desfile organizado esta terça-feira na sede do Parlamento português.

Várias associações contra a violência sexual e contra a despesa desnecessária na moda colaboraram para organizar este evento, no qual desfilaram vítimas de violência de género, modelos e apresentadoras e atrizes lusas.

Para a presidente da associação "Dariacordar", Paula Policarpo, este desfile tem uma importância "simbólica", já que grupos preocupados com dois problemas atuais -a violência sexual e a mudança climática- reuniram-se num grande desfile, organizado além disso na "casa dos deputados"-, acrescenta Policarpo.

Com o slogan "a violência não está na moda", a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima enfatizou o caráter "chamativo" do ato, e destacou a responsabilidade de toda a sociedade a denunciar a violência, assim como a incentivar às vítimas que a denunciem.

A marca responsável de vestir as mulheres neste desfile foi a "The Thinker and The Sinner" (O pensador e o pecador), uma empresa emergente que promove o "upcycling" (reciclagem) e a economia circular, procurando reintegrar os materiais têxteis ao final da sua vida útil na cadeia de valor.