EFELisboa

O Governo de Portugal aprovou esta quinta-feira levantar o "dever de recolhimento" em casa imposto em dezanove freguesias da região de Lisboa especialmente afetadas pela pandemia de coronavírus e dar a possibilidade a bares noturnos e discotecas de funcionar como cafés.

As medidas, esperadas há vários dias, foram concertadas no Conselho de Ministros, que aprovou este alívio das restrições depois da melhoria dos dados sobre contagiados registados nas últimas semanas.

Termina assim o "dever geral de recolhimento" em casa imposto desde 1 de julho nas 19 freguesias, nas quais os cidadãos só podiam sair para atividades essenciais, como trabalhar ou compra de alimentos e medicamentos.

Estas zonas vão passar a partir de 1 de agosto a um nível de alerta inferior, o "estado de contingência", em vigor no resto da região da capital.

Continuam nesta fase as restrições horárias que determinam que a generalidade dos estabelecimentos deve fechar às 20h00, os supermercados às 22h00, e a proibição de consumo de álcool na via pública, assim como a limitação de concentrações a um máximo de 10 pessoas.

Estas medidas serão mantidas dado que "demonstraram ser muito eficazes", disse em conferência de imprensa a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, no final do Conselho.

Vieira da Silva anunciou ligeiras modificações para os restaurantes, que poderão permitir a entrada de clientes até à meia-noite, embora deverão fechar à 1 da madrugada, o que amplia o seu horário, e abordou outra das questões mais esperadas: permitir a recuperação da atividade das discotecas.

Embora a imprensa tenha inicialmente avançado que estas iriam abrir as portas, a ministra precisou que este locais não têm autorização para reabrir como tal. No entanto, discotecas e bares noturnos têm a "possibilidade" de funcionar "como pastelarias e cafés, seguindo as mesmas regras que estes".

Isto implica que terão a obrigação de fechar às 20h00 no caso da região de Lisboa, em estado de contingência, o que não se aplica no resto de Portugal, que está num nível inferior, o de alerta.

Em qualquer caso, deverão todos cumprir com a distância social, o que impossibilita o uso das pistas de dança.

Estas poderão agora ser usadas para pôr mesas, que também poderão ser colocadas no espaço exterior destes locais, como uma espécie de esplanada.

Além disso, apenas poderão servir alguns aperitivos ligeiros, como sanduíches.

Procura-se assim dar "uma liberdade de funcionamento" para evitar que alterem a sua atividade, explicou a ministra.

Portugal registou hoje mais duas mortes e 255 novos casos de coronavírus, 69% dos quais na região de Lisboa.

O país soma ao todo mais de 50.000 positivos e mais de 1.700 mortes por COVID-19.