EFELisboa

O primeiro-ministro, António Costa, reúne-se novamente esta segunda-feira com epidemiólogos para abordar os últimos indicadores da pandemia de coronavírus no país e decidir que medidas serão adotadas para as próximas semanas, embora se espere que o confinamento atual se mantenha durante março.

O encontro, que será realizado por videoconferência, vai também contar com a participação do presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e outras autoridades, como o presidente do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues.

Estas reuniões, que se costumam realizar a cada duas semanas, têm como objetivo analisar a evolução da pandemia durante esse período e ajudar o Governo a decidir, com o conselho de especialistas, que novos passos dar para a quinzena seguinte.

Portugal encontra-se atualmente em estado de emergência e confinado até pelo menos 1 de março para controlar a terceira vaga de coronavírus, que em janeiro colocou os hospitais à beira do colapso.

A situação encontra-se já estabilizada, e este domingo foram registados 65 falecidos, o número de mortes mais baixo desde 28 de dezembro, e 1.186 contágios, um mínimo desde outubro.

Trata-se de uma caída de números muitos expressiva caso comparada com os picos alcançados em janeiro, o pior mês da pandemia no país, quando se chegaram a registar mais de 16.000 novos casos e 300 mortes diárias.

Apesar desta melhoria, espera-se que surja da reunião de especialistas, agendada para esta tarde, a recomendação do estado de emergência e o confinamento até, pelo menos, metade de março.

O Governo repetiu nos últimos dias que é "prematuro" pôr uma data para desconfinar e evita criar qualquer expectativas sobre o assunto antes que a pressão hospitalar se reduza mais.

Atualmente há 3.316 pacientes hospitalizados com covid-19 em Portugal, 638 dos quais nos cuidados intensivos, e enquanto estes números continuam a baixar, a previsão é começar agora a definir metas concretas a partir das quais se possa pensar em alívios.

Quando estes chegarem, os primeiros a voltar à atividade normal serão as escolas, fechadas desde 22 de janeiro, recordou este fim de semana a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva.