EFELisboa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) afirmou ter criado comissões em cada diocese para investigar e prevenir os abusos sexuais no seio da Igreja e proteger os menores e adultos vulneráveis.

Manuel Barbosa, porta-voz da CEP, explicou esta quinta-feira em comunicado que foi ainda criado um grupo ao nível nacional, segundo as ordens que foram impostas pelo Vaticano e depois dos bispos portugueses terem aprovado o documento "Proteção de menores e adultos vulneráveis", escrito em novembro de 2020.

Uma das últimas mensagens divulgadas pelo Papa sobre os abusos sexuais dentro da Igreja aconteceu no dia 18 de setembro, quando se dirigiu aos líderes das conferências episcopais mundiais.

Francisco assegurou que "apenas enfrentando a verdade desses comportamentos cruéis e buscando com humildade o perdão das vítimas e sobreviventes, a Igreja poderá encontrar o caminho para ser vista novamente com confiança".

A CEP estabeleceu uma série de diretrizes sobre esta questão, baseadas na prevenção, formação, investigação e tratamento de possíveis denúncias de casos de abuso sexual no seio da Igreja, tanto no âmbito da legislação civil quanto canónica.

Uma vez criadas as comissões diocesanas, estava previsto que se reunissem com cerca periodicidade para compartilhar o trabalho realizado, embora a pandemia, diz a CEP, tenha sido um problema na organização dos encontros.