EFEBruxelas

O presidente cessante do Eurogrupo, Mário Centeno, disse que o fórum que reúne os ministros da Economia e Finanças da Zona Euro é "mais importante e influente do que nunca" e previu que a eleição para o suceder no cargo que se vai realizar esta quinta-feira será "renhida".

Os três candidatos a tomar as rédeas do Eurogrupo no meio da profunda recessão económica gerada pela pandemia são a ministra espanhola de Economia, Nadia Calviño, o ministro irlandês das Finanças, Paschal Donohoe, e o seu homólogo luxemburguês, Pierre Gramegna.

"Temos três excelentes candidatos que ganharam apoio entre os seus pares. Esta corrida renhida e o nível de nomeações mostra que o Eurogrupo é mais importante e influente do que nunca", disse Centeno numa declaração em vídeo antes de presidir pela última vez uma reunião do Eurogrupo, que será realizada de forma virtual.

O antigo ministro das Finanças português disse que "os últimos dois anos demonstraram que o Eurogrupo pode liderar não só a Zona Euro mas toda a UE, unindo-a estreitamente", em referência a uma parte do seu mandato que esteve marcada por negociações para reforçar a Zona euro nas quais também participaram países não pertencentes à área da moeda única.

"Estou seguro de que vou deixar o Eurogrupo em boas mãos", disse Centeno, que salientou que o seu sucessor terá de liderar as negociações sobre a recuperação económica após a pandemia e sobre o regresso às normas de disciplina fiscal.