EFELisboa

O Ministério Público abriu uma investigação acerca da partilha por parte da Câmara Municipal de Lisboa com as autoridades da Rússia dos nomes de três ativistas russos que em janeiro se manifestaram frente à embaixada do seu país em Lisboa para exigir a libertação do líder opositor Alexei Navalny.

A partilha de dados foi divulgada pela imprensa portuguesa no passado 10 de junho e levou o autarca de Lisboa, Fernando Medina, a pedir desculpas publicamente.

Segundo o autarca, do Partido Socialista (PS), o erro deveu-se ao "funcionamento burocrático que se aplicou nesta manifestação, como na generalidade das dezenas de manifestações que se realizam no município".

"Foi um erro lamentável que não devia ter acontecido", explicou publicamente o autarca lisboeta.

A Câmara de Lisboa partilhou com as autoridades russas o nome, morada e contactos dos três manifestantes, que anunciaram em junho que iriam levar o caso à Justiça.