EFELisboa

O Ministério Público português está a investigar a denúncia feita pelos atores brasileiros Giovana Ewbank e Bruno Gagliasso, que divulgaram que dois dos seus filhos, junto a outros clientes, sofreram racismo num restaurante em Portugal no último fim de semana.

"Confirma-se a existência de investigações relacionadas com a matéria em referência", confirmou hoje a entidade à Agência EFE.

Os incidentes aconteceram no sábado, quando os dois atores e os seus filhos estavam numa esplanada frente ao mar do restaurante Clássico Beach Club (do Grupo Olivier), na Costa de Caparica (16 quilómetros ao sul de Lisboa).

Lá, "uma mulher branca, que passava frente ao restaurante, insultou, deliberadamente, não só a Títi e o Bless (dois dos seus filhos), mas também uma família de turistas angolanos que estavam no local -cerca de 15 pessoas negras", explicou a agência Trigo Casa de Comunicação em representação da família através da sua conta de Instagram.

Além disso, pediu-lhes que saíssem do restaurante e voltassem para África e chamou "pretos imundos" às crianças.

Depois de um telefonema de Gagliasso à polícia, agentes de segurança chegaram ao local e levaram a mulher.

O casal informou que ia apresentar uma denúncia à polícia.

O caso, que despertou um grande interesse mediático tanto em Portugal como no Brasil, provocou a reação do presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, que no domingo pediu que não se "generalize" a imagem de "setores racistas e xenófobos".

"O comportamento da sociedade portuguesa é, no geral, respeitoso dos direitos fundamentais e da dignidade humana. O mesmo pode ser dito, mais especificamente, das comunidades dos países irmãos de língua portuguesa, que têm aumentado a sua presença entre nós e são motivo de gratidão e de orgulho para Portugal", divulgou a Presidência da República em comunicado.