EFELisboa

A ModaLisboa, a semana da moda independente de Lisboa, começa esta quinta-feira a sua 56ª edição, a primeira totalmente digital devido à covid-19, que este ano acolhe mais de vinte estilistas portugueses.

Também pela primeira vez deste a sua criação em 1991, a ModaLisboa, até agora reservada à imprensa e convidados, abre-se ao público geral, que pode seguir o evento através das plataformas digitais.

A edição, afastada do conceito de "moda de temporada", como tem vindo a fazer, é realizada sob a premissa de sustentabilidade e futuro da indústria, segundo os organizadores.

A moda nacional, a "slow fashion" e o encontro entre indústria e inovação são novas tendências que a ModaLisboa não quis deixar fora da sua agenda.

Mais de duas dezenas de marcas e criadores portuguesas vão desfilar através dos ecrãs a partir desta quinta e até domingo.

O programa fica completo com sessões de entrevistas com estilistas e figuras da indústria, oficinas dirigidas a profissionais e amadores e uma loja chamada "Wonder Room" onde se pode adquirir produtos das empresas participantes.

Entre as marcas e criadores que apresentam coleções nesta edição encontram-se Béhen, Nuno Baltazar, Awaytomars, Hibu, Buzina, Constança Entrudo, Valentim Quaresma, Carlos Gil, Gonçalo Peixoto, Luís Carvalho, Ricardo Preto e Ricardo Andrez.

A ModaLisboa acolhe ainda o "Sangue Novo", uma iniciativa para jovens estilistas cujos prémios vão desde bolsas de cerca de 3.500 euros e residências artísticas até a um mestrado em colaboração com a escola italiana Polimoda.