EFELisboa

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), convocante da greve que há uma semana levou Portugal ao estado de crise energética, anunciou hoje que vai realizar uma nova greve na primeira semana de setembro, embora mais reduzida.

A nova greve será realizada durante fins-de-semana, feriados e horas-extra, precisaram fontes do sindicato à imprensa portuguesa, indicando que vão notificar formalmente nas próximas horas os termos da greve às autoridades.

O anúncio chega apenas um dia depois do sindicato e da patronal do setor, Antram, terem retomado as negociações após os primeiros desconvocarem a greve que iniciaram no último dia 12.

O protesto durou seis dias e foi intervinda legalmente no primeiro dia pelo Governo do socialista António Costa devido, segundo o Executivo, ao descumprimento dos serviços mínimos em várias infraestruturas do país.

Com a intervenção, os efeitos da greve foram muitos menores e o sindicato acabou por desconvocar no domingo passado para facilitar o diálogo com a patronal, segundo disseram então os seus dirigentes.

Mas tal diálogo, que começou esta terça-feira, viu-se travado em apenas umas horas por desacordos sobre o principal assunto a debater, o aumento salarial que os trabalhadores exigem e que a patronal se comprometeu a realizar em abril passado, mas que ainda não aconteceu.