EFELisboa

O chanceler do Paraguai, Eladio Loizaga, e a ministra de Administração Interna de Portugal, Constança Urbano de Sousa, assinaram hoje em Lisboa um acordo de cooperação contra o crime transnacional.

Ambos formalizaram a assinatura na sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros português, onde Loizaga manteve um encontro bilateral com o seu homólogo luso, Augusto Santos Silva, destinado a aprofundar as relações entre os dois países.

O acordo sobre segurança interna, disse Loizaga em conferência de imprensa, vai permitir a Portugal e ao Paraguai "estarem juntos frente a um flagelo continental e internacional como o crime transnacional organizado", que, ressaltou, "não tem fronteiras".

Na reunião, o chanceler também assinou junto a Santos Silva um memorando de entendimento sobre consultas políticas com o qual completaram um encontro que serviu, em palavras do ministro português, para "assinalar uma nova etapa nas relações entre Portugal e Paraguai".

Loizaga explicou que durante a reunião, que durou ao redor de uma hora, Santos Silva e ele passaram "revista" às "excelentes relações" que os dois países mantêm atualmente.

"O Paraguai considera Portugal um país mais que amigo, um país aliado", afirmou o ministro paraguaio, que disse ter vindo a Lisboa para expressar que o Paraguai procura com a nação ibérica "uma complementaridade no campo económico".

Neste sentido, Santos Silva destacou que o Paraguai tem "uma economia próspera, que está a crescer, e isso traz novas oportunidades de investimento para empresas portuguesas" nesse país.

Loizaga aproveitou o seu discurso para reiterar a Portugal "as mais calorosas felicitações" pela eleição do ex-primeiro-ministro português António Guterres como próximo secretário-geral da ONU, algo que "é um orgulho" para todos os ibero-americanos, sustentou.

A visita do ministro dos Negócios Estrangeiros paraguaio a Lisboa completa-se esta tarde com uma reunião com o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

Está previsto que esta mesma noite empreenda o regresso a Assunção, finalizando assim uma viagem europeia que iniciou esta segunda-feira em Moscovo, e que continuou em Roma e no Vaticano.