EFELisboa

O Parlamento português renovou esta sexta-feira por mais quinze dias o estado de emergência no país, pelo que as medidas restritivas para lutar contra a pandemia da covid-19, que serão anunciadas este sábado pelo primeiro-ministro, António Costa, se vão prolongar até 8 de dezembro.

O primeiro período de estado de emergência desta segunda vaga terminava na próxima segunda-feira, 23 de novembro. Durante este tempo foi decretado recolher obrigatório a 191 concelhos, entre os quais Lisboa e Porto, pois todos mantêm uma prevalência superior a 240 casos positivos de covid-19 por cada 100.000 habitantes.

Os residentes nos munícios em recolher obrigatório, que representam 80% da população de Portugal, não podem sair à rua de segunda a sexta das 23h às 5h, enquanto nos fins de semana devem ficar em casa entre as 13h e as 5h.

No entanto, espera-se que as medidas restritivas para a próxima quinzena sejam fixadas de forma mais heterogénea, em função da situação de cada município.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, avançou hoje que o número de concelhos que vão estar em recolher obrigatório entre 24 e 8 de dezembro será maior de 200 (Portugal conta ao todo com 308).

O Parlamento português, depois da proposta de renovação emitida pelo presidente Marcelo Rebelo de Sousa, aprovou o novo período de estado de emergência com os votos a favor dos deputados do Partido Socialista, no Governo, e dos do Partido Social Democrata (PSD, centro direita).

Bloco de Esquerda (BE), CDS (direita) e o partido Pessoas, Animais e Natureza (PAN) abstiveram-se.