EFELisboa

A Polícia Judiciária portuguesa (PJ) realizou esta quinta-feira buscas em instituições bancárias, empresas e casas numa investigação sobre branqueamento de capitais, fraude fiscal e burla.

A PJ e o Ministério Público informaram em comunicados de imprensa que foram emitidos 15 mandados de busca e apreensão em instituições bancárias, na sede social de uma associação, em casas privadas e em empresas.

Embora as autoridades não tenham especificado em quais instituições se efetuaram as buscas, a imprensa local informa que estas incluem o banco Montepio e seu ex-presidente Tomás Correia, assim como o construtor José Guilherme e o seu filho, Paulo Guilherme.

As buscas concentram-se em clientes de instituições financeiras e entidades para recolher provas sobre operações bancárias entre 2011 e 2014 e documentação relacionada com o caso.

Peritos e consultores da Administração Tributária e do Banco de Portugal, para além do Ministério Público e da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ, participam no processo, cuja investigação se encontra sob segredo de justiça.