EFELisboa

As autoridades de saúde de Portugal decretaram o fim da publicidade destinada a menores de dezasseis anos de bolachas, leites achocolatados e a maioria de cereais e iogurtes, procurando assim desincentivar o consumo de açúcares.

A medida, efetiva a partir de outubro, vai acabar com os anúncios dirigidos a menores de dezasseis anos de "todas as bolachas e leites achocolatados, 90% dos cereais de pequeno-almoço e 72% dos iogurtes no mercado", avança a imprensa portuguesa.

Deixarão de publicitar-se em cinemas, redes sociais, rádio e televisão, numa tentativa da Direção Geral de Saúde (DGS), promotora da iniciativa, que a população mais jovem consuma menos açúcares, gorduras saturadas e produtos com alto conteúdo em sal.

Em comunicado, a DGS explicou que com esta medida o Governo "prossegue o objetivo de reduzir o consumo excessivo de sal, açúcar e gorduras saturadas, que estão associados ao desenvolvimento de doenças crónicas, especialmente obesidade, doenças cardiovasculares e oncológicas".

Após o seu estudo, a DGS conclui que só poderão publicitar-se "17% dos refrigerantes, 28% dos iogurtes, 21% dos queijos e 10% dos cereais de pequeno-almoço".

A lista de alimentos que deixarão de ser anunciados parte de uma exaustiva análise nutricional de quase 2.500 produtos.

A imprensa portuguesa destaca que a lista da autoridade da saúde foi inspirada pelas recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), que "proíbe toda a publicidade dirigida a crianças de chocolates, tortas, sumos, refrigerantes e gelados".