EFEMadrid

O primeiro-ministro português, António Costa, defendeu esta segunda-feira que a transição ecológica necessária para travar a mudança climática beneficia também as economias dos países.

Costa manifestou-se desta maneira numa mesa redonda entre presidentes e chefes de Estado na Conferência das Partes (COP25) em Madrid.

O português defendeu a política que o seu país tem feito nesta matéria e revelou que "nos últimos quatro anos o custo da energia reduziu-se 8%, enquanto na União Europeia (UE) aumentou 6%".

"Vamos baixar ainda mais, recentemente realizamos um grande leilão para a concessão de licenças com base na energia solar, conseguimos obter um recorde mundial a 14,76 euros por megawatt por hora, a energia renovável pode ser uma energia mais barata", sublinhou.

Nessa mesma linha, Costa referiu-se aos que "receiam o impacto económico" das energias renováveis, assegurando que "só no último ano" Portugal "conseguiu ter um crescimento económico acima da média da União Europeia".

O primeiro-ministro recordou que Portugal e o Quénia vão organizar em junho do próximo ano a Conferência das Nações Unidas sobre os oceanos e que, também em 2020, Lisboa terá o título de Capital Verde Europeia.

"Convido-os a todos a participar ativamente (na Conferência sobre oceanos) mas também a juntar-se na missão para fazer mais, melhor e mais rápido pelo nosso planeta", finalizou.