EFELisboa

O grupo de pelo menos 67 belgas que deram positivo por coronavírus depois de duas semanas de férias na região portuguesa do Algarve (sul) não cumpriram as normas estabelecidas pelas autoridades para evitar contágios, segundo a Direção Geral de Saúde (DGS).

Um grupo de 130 jovens de entre 18 e 20 anos esteve em Albufeira, no Algarve, entre 2 e 12 de setembro, e pelo menos 67 deles deram positivo no seu regresso à Bélgica.

Questionada sobre estes contágios, divulgados pela imprensa belga, a diretora geral da Saúde de Portugal, Graça Freitas, assinalou que os jovens "não cumpriram as regras de segurança que foram insistentemente divulgadas pelos organizadores e pelas autoridades portuguesas".

Em conferência de imprensa, Freitas assinalou ainda que a origem do surto poderá estar na Bélgica, já que com o período de incubação do vírus e o cariz assintomático de muitos jovens, um deles poderá ter chegado a Portugal já contagiado.

Cerca de metade dos infetados contrataram um paquete de um organizador especializado em viagens para jovens, enquanto os restantes alugaram uma casa privada.

As autoridades belgas informaram que não descartam um aumento do número de contagiados.

O Algarve está classificado como "zona laranja" pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros belga, o que significa que as autoridades recomendam a realização do teste e quarentena no regresso, apesar de não ser obrigatório.

Portugal tem 65.626 casos de coronavírus desde o início da pandemia, com um último dado de contágios diários de 605, que corresponde a quarta-feira, e um total de 1.878 vítimas mortais.

O Algarve regista 1.259 positivos desde março, 15 deles comunicados na quarta-feira.