EFELisboa

A expulsão de cinco diplomatas portugueses anunciada esta quinta-feira pela Rússia não tem justificação, sendo apenas uma "simples retaliação", afirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros português.

"O Governo português repudia a decisão das autoridades russas, que não tem qualquer justificação que não seja a simples retaliação", afirma um comunicado do Ministério em reação à decisão de Moscovo.

"Ao contrário dos funcionários russos expulsos de Portugal, estes funcionários nacionais levavam a cabo atividades estritamente diplomáticas, em absoluta conformidade com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas", conclui o comunicado.

A Rússia anunciou esta quinta-feira a expulsão de cinco diplomatas portugueses em resposta à declaração de 'persona non grata' por parte de Lisboa no passado abril de 10 funcionários da Embaixada russa em Portugal,

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo transmitiu esta quinta à embaixadora de Portugal em Moscovo, Madalena Fischer, um "enérgico protesto" pela "decisão provocatória" de expulsar diplomatas russos de Lisboa que o Governo de Vladimir Putin interpreta como um "passo hostil" que afetará às relações bilaterais.

Os afetados pela medida terão que abandonar o território russo nos próximos catorze dias.

A decisão de Moscovo não surpreendeu Lisboa, pois a Rússia anunciou na quarta-feira a expulsão de 27 diplomatas espanhóis, 24 italianos e 34 franceses.

Só este ano já foram expulsos de diversos países mais de 420 diplomatas russos, a maioria deles após o início da campanha militar russa na Ucrânia, a 24 de fevereiro.

Este é o maior número de expulsões em mais de 20 anos, pois entre 2000 e 2021 um total de 418 funcionários de várias missões diplomáticas russas foram declarados 'persona non grata'.