EFELisboa

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, não descarta por completo uma linha de alta velocidade entre Madrid e Lisboa mas admite que não está entre as prioridades atuais e adverte que as ligações ibéricas devem ter em conta os interesses de Espanha e Portugal.

"Há que abordar a rede de alta velocidade na península ibérica desde o ponto de vista dos interesses dos dois países. O interesse de Portugal não é ter só uma ligação à Europa através de Madrid. É ter ligações em alta velocidade ferroviária no plural, várias ligações", disse hoje numa entrevista com a Efe.

Embora tenha respondido com um "não" ao ser questionado sobre se a alta velocidade entre as duas capitais ibéricas está descartada, Santos Silva referiu que Portugal tem atualmente duas prioridades para investir nas suas redes ferroviárias, e nenhuma passa por Madrid.

A primeira é aproximar mais as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto através da alta velocidade, para encurtar o tempo de viagem. A segunda é "prolongar essa linha até à Galiza".

"E vamos ter outras prioridades. Os dois ministros de Transportes português e espanhol continuam a trabalhar nisso", assegura.

As ligações transfronteiriças foram um tema recorrente nas duas últimas cimeiras bilaterais entre Portugal e Espanha.

A única ligação ferroviária que existia entre as duas capitais era o Lusitânia, um comboio noturno que liga Lisboa e Madrid em 10 horas cujo serviço foi interrompido em março de 2020 devido às restrições da pandemia de coronavírus. Desde então não foi retomado, existindo dúvidas sobre a sua rentabilidade.

Portugal já se mostrou disponível para falar com a espanhola Renfe acerca da recuperação deste serviço.

"Para nós é muito importante manter o comboio noturno, temos muito trabalho por fazer com a Renfe. Queremos manter o serviço. Podemos financiar a nossa parte, mas temos que o fazer com os espanhóis", disse há um mês o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

A situação no norte é diferente, e o serviço entre o Porto e Vigo (Espanha) foi mantido.

No passado 25 de abril, Portugal estreou o serviço comercial com comboios elétricos entre o Porto e Valença do Minho, perto da Galiza, que permite encurtar a viagem em 15 minutos.