EFELisboa

Portugal, cuja população se encontra confinada desde o passado 15 de janeiro, continua a melhorar os seus indicadores, notificando esta segunda-feira 34 mortes e 394 novos contágios de coronavírus, o dado mais baixo dos últimos seis meses.

Segundo o último relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS), o país já registou 16.351 falecimentos e 804.956 contágios desde o início da pandemia.

A pressão hospitalar, um dos dados fundamentais para planear o desconfinamento, mantém-se estável com 2.167 pacientes covid internados (mais dois que no dia anterior), embora se observe uma melhoria nos cuidados intensivos, que atendem agora 469 pessoas (menos 15).

Portugal encontra-se sob estado de emergência e em confinamento até pelo menos o próximo 16 de março.

Antes dessa data, a 11, será apresentado um plano de desconfinamento sobre o qual o Governo não adiantou detalhes, tendo apenas confirmado que irá ser gradual e que as escolas serão as primeiras a reabrir.

Enquanto se aguarda pelos pormenores do desconfinamento, o Governo anunciou que vai ampliar de 21 a 28 dias o intervalo entre as doses da vacina da Pfizer contra o coronavírus para dar a inicial a mais pessoas durante o primeiro trimestre.

Segundo os cálculos divulgados esta segunda pelo secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, espera-se que com esta medida seja dada a primeira dose a mais 100.000 pessoas do que inicialmente se pensava com as vacinas recebidas entre janeiro e março.