EFELisboa

Portugal, que tem mais de 300 mil casos de coronavírus, prepara um Natal com alguma tolerância, com base numa lógica de "o máximo de pedagogia e o mínimo de regras", mas vai introduzir restrições mais fortes para a passagem do ano.

O primeiro-ministro português, António Costa, falou do Natal numa entrevista à rádio do Observador, onde revelou que as medidas concretas para as festividades vão ser apresentadas no próximo sábado.

O primeiro-ministro insistiu que este ano não vai poder ter "um Natal normal", mas a ideia e permitir deslocações e reuniões familiares, embora evitando o risco de contágio, e depois endurecer as restrições para o fim do ano.

"Vamos todos fazer o esforço para podermos ter o Natal com as melhores condições possíveis, mas logo a seguir, há uma coisa que posso antecipar desde já, é que a passagem do ano vai ter todas as restrições porque aí não pode haver qualquer tipo de tolerancia", afirmou Costa.