EFELisboa

O Governo de Portugal prepara novas restrições que serão mais circunscritas aos territórios, segundo a situação da pandemia em cada zona, depois do país ter voltado a registar um máximo diário, de quase 4.000 novos casos.

O Executivo de António Costa vai-se reunir este sábado num conselho de ministros extraordinário para aprovar novas medidas, que segundo defendeu esta quinta-feira o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, serão aplicadas a nível territorial.

"Todos os países vão começar a adotar medidas de restrições a nível territorial, mais circunscritas, mais cirúrgicas (...) para que outros territórios que não estejam sob tanta pressão possam respirar desde o ponto de vista económico e social", disse Lacerda Sales no podcast "Política com uma Palavra", do Partido Socialista, divulgado esta quinta-feira.

Portugal conta atualmente com restrições aplicadas em todo o território nacional, que se encontra em estado de calamidade, com a proibição de reuniões de mais de cinco pessoas e limitações de horário no comércio.

Além disso, para o fim-de-semana de Todos os Santos, a partir da próxima meia-noite e até às 6 da manhã do dia 3, a mobilidade entre municípios será restringida, embora com exceções, tais como ver espetáculos culturais numa localidade vizinha.

As únicas medidas a nível territorial encontram-se no norte, onde três municípios -Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira- estão sujeitos a restrições que se assemelham ao confinamento, com o "dever de permanência" em casa se não for para trabalhar, estudar ou outras atividades essenciais.

O conselho de ministros extraordinário de sábado foi convocado quando o país regista uma subida acentuada na curva, que estabeleceu um novo recorde com 3.960 infeções num só dia.

Houve também aumentos no número de hospitalizações. 1.794 no total, e segundo cálculos do Instituto Ricardo Jorge divulgados esta semana pelo Governo, vai-se ultrapassar a marca de 3.000 internamentos no dia 4 de novembro.